Buscar
  • Tatiane Fuggi

Você abdicaria de seu gozo?


Porque uma mulher abdica de sua vida e talento em nome de um amor? Porque suporta com seu corpo, o machismo e opressões vindas do Outro?


Estas e outras questões estão contempladas no drama biográfico norte-americano do Diretor Tim Burton "Big Eyes" traduzido por "Grandes Olhos" de 2014. O filme conta a história de Margaret Keane, uma pintora norte-americana e seu marido Walter Keane, que ficou famoso no final dos anos 50 por vender os quadros da esposa forjando sua identidade. A pintora inicia sua obra na infância, quando adquiriu uma doença que a deixou com surdez temporariamente. Então percebeu que as pessoas se comunicavam e expressavam sentimentos também pelo olhar. Assim, passou a pintar crianças de rua sempre tristes e com grandes olhos.


Por cerca de 10 anos Walter, com o consentimento de Margaret, assumiu a autoria dos quadros em nome da fama e reconhecimento público. Em uma época, onde a aceitação do trabalho artístico feminino eram difíceis, a artista plástica se deixou levar pela ganância do marido. Mas que Margaret ganhou com isso?



Existe um detalhe na obra de Burton que merece toda atenção: Margaret se deixa seduzir e envolver com Walter logo após fugir do ex-marido, pai de sua filha. Logo a repetição aparece. Mas Margaret pouco queria saber disto. Seu lugar subjetivo pouco importava. Hipnotizada pelos grandes olhos de sua obra e os olhos do marido, fixou-se no homem que estava lhe dando um lugar ao seu lado. Não sem pagar um preço alto: não assumir a autoria de sua própria obra.


Querer saber disso, do lugar de que se sofre não é tarefa simples. Jacques Lacan, psicanalista francês chamou isso de gozo. Implicar-se em relações amorosas que causam sofrimento é poder barrar o gozo das relações, cada um a seu modo. Não há solução única pois cada sujeito pode inventar novos arranjos com seu parceiro(a)-sintoma.



Interessante observar a trajetória artística das obras de Margaret. A fase das crianças com grandes olhos tristes contém, em alguns quadros, uma sombra ou um gato. Já na fase onde começa a assumir a autoria, os desenhos são mulheres com imagens secundárias sobrepostas. A pintura "Living Doll" (tradução Boneca Viva) de 1963, diferencia a imagem do humano do que é inanimado (a boneca). Podemos pensar então que, através de rearranjos amorosos, barrando o gozo devastador das relações degradadas, é possível emergir o desejo?


Psicóloga Tatiane Fuggi

CRP 12/10845

☎48 99636-2386

📧tatianefuggi@hotmail.com

Facebook: psicologatatianefuggi

Instagram: @psicologatatianefuggi

210 visualizações
 

©2019 por Psicóloga Tatiane Fuggi. Orgulhosamente criado com Wix.com

This site was designed with the
.com
website builder. Create your website today.
Start Now